the optimistic

         (living in a glasshouse)

sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

O criador e a criatura (não necessariamente nessa ordem).



Já há tempos tenho a impressão de que, ao contrário do que pensa a esquerda brasileira, a Veja distorce, manipula fatos e faz joguinhos que de tão chocantes são banais não exatamente para controlar, ideologizar ou arrebanhar seguidores, mas por um movimento inverso: em tempos de crise de qualquer mídia de informação paga (ok, posso estar exagerando no qualquer), melhor não desagradar quem ainda paga alguma coisa. Dessa forma, o que a Veja faz é dizer, opinar e informar da forma que (ela pensa que) seu leitor quer ler. Numa relação criador/criatura complexa, é até difícil dizer quem veio primeiro: a cabeça do  "cidadão de bem" leitor da Veja ou a cabeça da Revista.

Intrigado com a cobertura sensacionalista que boa parte da mídia vem dando ao suposto (desconfio que desejado ) próximo apagão (que se depender da Veja, Globo & Cia. tem até data e hora para acontecer), entrei no site da Veja e descobri a cobertura da revista sobre o  Big Brother Brasil 13. É uma delícia! A forma como as matérias são escritas, num tom de superioridade intelectual e desprezo pelo populacho é das coisas (involuntariamente) mais hilárias ever! O ápice é essa reportagem. Um trecho do final é um combo do pensamento Veja que reflete bem a mentalidade dos seus leitores fiéis.

Vamos por partes:

"Ainda em 2012, sob a batuta de Boninho, a Globo levou ao ar o divertido, sofisticado e aplaudido The Voice Brasil,

    1) pegar coisas com cara de refinadas, mas que são super senso-comum e chamar de refinado. De boa, mas ainda não consigo ver tanta diferença assim entre o que estava ali e o que Raul Gil e companhia vêm fazendo há anos.

um reality musical que tem, a cada episódio, meia dúzia de apresentações espetaculares, no melhor estilo dos programas americanos e europeus do gênero.

    2) se tem semelhança ou origem americana/europeia é sinônimo de (boa) qualidade.

O The Voice foi mais uma prova de que, apesar da apelação e da baixaria do BBB, a Globo e Boninho continuam sabendo fazer entretenimento na TV como ninguém. 

    3) de marca de papel higiênico a música, se tem apelo com quem ganha menos de 2 salários mínimos, é apelação e baixaria.

 E que o show de horrores do Big Brother só existe graças a um parceiro importantíssimo do grande irmão: um público viciado no besteirol.

    4) fingir que o mundo será um lugar melhor se todo o mundo for intelectualizado.

Pra finalizar, apesar de a cada duas linhas, de cada matéria, ressaltar a inutilidade, a nulidade de importância do programa, a revista deve ter, em menos de uma semana de programa, mais de 50 matérias sobre o mesmo. Mais uma semelhança criador/criatura: ninguém gosta, ninguém assiste, mas todo o mundo está informadíssimo sobre o que acontece ali dentro.

Marcadores: , , ,

phillcss - 23:19:00


-:-:-

Eu.

Philipe

Campos - RJ

Ficção e não-ficção.


Leio:

Green Plastic
Omelete.
Cronicalidades.
Martini Seco.
Hel Looks.
Cafeína.
Cotidianidades.
Perto do Coração Selvagem.
Vida na Islândia.
Amor e Hemáceas.
Actions e Comics.

Recentemente:
|Before Midnight (2013).|
|Narciso (?).|
|La Science des Rêves|
|Would?|
|O dia em que o Professor X morreu|
|Divulgado o IDEB das Escolas do Rio de Janeiro|
|Pequenos feitos incríveis sem testemunha.|
|Sobre mulheres e meias-calça.|
|O perigoso português.|
|the return (?).|

Passado:
|| Dezembro 2005 | Janeiro 2006 | Fevereiro 2006 | Março 2006 | Abril 2006 | Maio 2006 | Junho 2006 | Agosto 2006 | Setembro 2006 | Outubro 2006 | Novembro 2006 | Dezembro 2006 | Janeiro 2007 | Fevereiro 2007 | Março 2007 | Abril 2007 | Maio 2007 | Junho 2007 | Julho 2007 | Agosto 2007 | Setembro 2007 | Outubro 2007 | Novembro 2007 | Dezembro 2007 | Janeiro 2008 | Fevereiro 2008 | Março 2008 | Abril 2008 | Junho 2008 | Julho 2008 | Agosto 2008 | Dezembro 2008 | Janeiro 2009 | Março 2009 | Maio 2009 | Agosto 2009 | Setembro 2009 | Outubro 2009 | Julho 2010 | Agosto 2011 | Novembro 2011 | Janeiro 2013 | Fevereiro 2013 | Março 2013