the optimistic

         (living in a glasshouse)

domingo, 13 de setembro de 2009

Sobre se sentir meio arroz-com-feijão. (Ou meio pequenino).

Não é a primeira vez que escrevo sobre isso. Creio que da outra vez até utilizei esse mesmo título. Ocorre que essas sábias palavras de Fernanda Takai e sua trupe são muito adequadas pra verbalizar um sentimento tão recorrente em mim: me sentir meio arroz com feijão.

Certa vez, conversando com um amigo, disse-me ele que talvez seja isso do que a vida adulta se trata: aceitar e viver meio arroz-com-feijão. Verdade que até aceito isso. Entretanto, há momentos em que a certeza se faz mais forte; um momento meio Macabéa, jogada ao lado do meio-fio, um fino fio de sangue escorrendo testa abaixo, toda a estupidez da própria existência se revelando brutal, sem bombons doces, sem filtros cor-de-rosa. Um grande e acachapante "você é muito pouco". Bate meio que uma tristeza nessas horas. A gente gosta de ter as coisas em alta conta, que dirá, então, de termos nós mesmos em alta conta? Acho meio ridículo quem se acha muita coisa, mas acho um pouco triste quem não se acha nada. A velha máxima desgastada do meio termo? Sabe que não sei?

De outra vez, conversando com outro amigo, conversavamos sobre um determinado livro. Reclamava ele do rótulo dado pela crítica, "um livro menor na obra do autor". Dizia ele que, talvez, todo seu carinho pelo livro viesse justamente dessa denominação. Considerava a si próprio pouca coisa, algo menor frente o mundo. Achei meio triste a observação. Não é o caso de se considerar menor. Elimina-se o adjetivo comparativo de inferioridade e utiliza-se simplesmente "pequeno". Me sinto pequeno o tempo todo. Não que isso seja demérito. O mundo é grande demais e encarar certas coisas e se sentir pequeno, considero normal. Somos todos pequenos. E, felizmente, igualmente pequenos.

Lembro de "2001" na cena em que o computador é desligado e o astronauta se vê sozinho. Tão sozinho como nenhum homem jamais esteve. E, contemplando o universo, pequeno. Tão pequeno como jamais qualquer ser humano já se sentiu. Talvez, seja isso. Hoje é um daqueles dias em que me sinto pequeno.

Marcadores: , , ,

The Optimistic - 01:16:00 0 comments


-:-:-

Eu.

Philipe

Campos - RJ

Ficção e não-ficção.


Leio:

Green Plastic
Omelete.
Cronicalidades.
Martini Seco.
Hel Looks.
Cafeína.
Cotidianidades.
Perto do Coração Selvagem.
Vida na Islândia.
Amor e Hemáceas.
Actions e Comics.

Recentemente:
|Algumas notas sobre música.|
|Go, Spidey!|
|A quem interessa o meu umbigo?|
|Tempo.|
|Se arrependimento matasse...|
|O Diário do Clima.|
|Não pense que te quero mal, apenas não te quero ma...|
|O criador e a criatura (não necessariamente nessa ...|
|Before Midnight (2013).|
|Narciso (?).|

Passado:
|| Dezembro 2005 | Janeiro 2006 | Fevereiro 2006 | Março 2006 | Abril 2006 | Maio 2006 | Junho 2006 | Agosto 2006 | Setembro 2006 | Outubro 2006 | Novembro 2006 | Dezembro 2006 | Janeiro 2007 | Fevereiro 2007 | Março 2007 | Abril 2007 | Maio 2007 | Junho 2007 | Julho 2007 | Agosto 2007 | Setembro 2007 | Outubro 2007 | Novembro 2007 | Dezembro 2007 | Janeiro 2008 | Fevereiro 2008 | Março 2008 | Abril 2008 | Junho 2008 | Julho 2008 | Agosto 2008 | Dezembro 2008 | Janeiro 2009 | Março 2009 | Maio 2009 | Agosto 2009 | Setembro 2009 | Outubro 2009 | Julho 2010 | Agosto 2011 | Novembro 2011 | Janeiro 2013 | Fevereiro 2013 | Março 2013